Nova Central defende mercado interno de consumo de massa

  A imprensa falada e escrita tem anunciado notícias de que há uma grave crise econômica mundial que vem desestabilizando a economia brasileira em largas proporções. Há indícios de que dificilmente o PIB (Produto Interno Bruto) alcance 1% em 2014. A meta de controle da inflação superou 6% já na primeira metade do ano.

O Brasil padece dos impactos da 20ª mais alta taxa de juros do ranking mundial. A taxa Selic atingiu 11%, derrubando já no primeiro semestre deste ano (2014) a meta anual da estabilidade econômica brasileira. O cenário interno é de que existe uma crise econômica por um lado, e por outro persiste um déficit social que a nação precisa superar de modo a evitar despejos do ônus da crise econômica, sobre as costas dos trabalhadores (as).

Tem sido convencional medir a economia mundial globalizada por diversos índices. Dentre alguns indicadores, menciona-se: dívida externa, dívida interna, renda per capita, produto interno bruto, analfabetismo, mortalidade infantil, desenvolvimento econômico, taxa de desemprego, indicadores de violência, despossessões psicológica, social, política, e, recentemente, no campo das ciências sociais, tem se falado também em despossessão tecnológica, etc.

Índices e despossessões destacam problemas que precisam de superação, por meio de diretrizes, objetivos e metas públicas de curto, médio e longo prazo, o que torna a agenda eleitoral nacional brasileira um momento esperançoso para a junção de propostas e de ideias ao conjunto da sociedade.

O cenário interno é de que existe uma crise econômica por um lado, e por outro persiste um déficit social que o Brasil precisa superar de modo a evitar despejos do ônus da crise econômica, sobre as costas dos trabalhadores, como geralmente tem acontecido por meio de contenção dos investimentos governamentais e, por extensão, de cortes no orçamento dos serviços públicos de saúde, educação, assistência, proteção social, etc.

A NCST Nova Central defende que a política voltada ao crescimento econômico tem que ser orientada para a ampliação e o fortalecimento do mercado interno de consumo de massa, gerando empregos e ampliando a renda pelo trabalho.
Paralelo à essa ação o futuro Presidente do Brasil terá que promover mais e melhores políticas públicas e sociais. Políticas que precisam ser garantidas com efetividade para a saúde, a educação, a segurança, a habitação, infraestrutura, assistência e proteção social.

Nessa direção a NCST Nova Central apresenta a seguinte diretriz com vistas à viabilização de tais objetivos: Garantir a manutenção da política de elevação do Salário Mínimo acima da inflação no longo prazo, pelo seu relevante papel social e econômico na desconcentração dos rendimentos do trabalho

Fonte: Nova Central Sindical de Trabalhadores

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =